A+
A-
Para mães e pais 
em fase de crescimento.

Novidades:

Ninhos do Brasil + Carochinha Editora: Ninhos do Brasil se uniu à Carochinha Editora, selecionando histórias que auxiliam nas questões enfrentadas em diferentes fases. Confira!

O que é a crise dos 9 anos? Meu filho ainda é criança?

Ninhos do Brasil NB
qua, 21/04/2021 - 11:57
Menina sorri para a própria imagem no espelho. Se trata de uma criança de cerca de 9 anos usando óculos escuros com armação rosa.

Só de ler a expressão “fim da infância” já dá uma vontade de chorar, né? Aos poucos, a gente percebe que os brinquedos de antes já não despertam o mesmo interesse. Seu filho ou filha começa a preferir ficar horas conversando com os amiguinhos, assistindo a séries ou lendo a ficar brincando de pega-pega. Está crescendo!

Ainda não é a pré-adolescência, mas uma transição de fases. Esse período, que normalmente ocorre entre 9 e 10 anos, é também conhecido como “Crise dos 9 anos” – ou “Rubicão” – termo popularizado pela filosofia antroposófica, que estuda o ser humano do ponto de vista espiritual.

👀 Curiosidade: o nome esquisito faz referência a uma travessia sem volta que Julio Cesar fez no rio Rubicão, lá no período do Império Romano.

Mas, calma, ainda tem brincadeira e um filhote para você cuidar (e vai ter por muito tempo ainda)!

As fases das crianças de 9 anos

Vamos entender melhor o que está acontecendo com eles?

O corpo começa a mudar

Em algumas crianças, os primeiros sinais da puberdade podem começar a aparecer por esse período. Em meninas, a puberdade ocorre entre 8-13 anos e, em meninos, entre 9-14 anos.

Nelas, começa pelo surgimento do broto mamário e, neles, pelo aumento do tamanho dos testículos. Logo depois, surgem os pelos pubianos e nas axilas (e odor também), acne e aumento da oleosidade da pele e tudo o mais que você deve lembrar bem.

Também pode florescer interesse em meninos ou meninas

Ainda como brincadeira. Esses assuntos não precisam ser superestimados (nem devem ser menosprezados). Busque estar perto, conhecer os sentimentos dos filhos e ficar aberto para responder às dúvidas.

É tempo de começar a falar com naturalidade sobre a sexualidade, aos poucos.

Lembre-se: quando você ou a escola não falam sobre o assunto, elas podem buscar as informações em outras fontes, menos seguras.

É importante responder com naturalidade às perguntas feitas pelas crianças, sem ir muito além do que foi questionado. Falar sobre intimidade e segurança sem transformar a conversa num sermão dá maior tranquilidade para seu filho(a) seguir consultando você sobre as questões que surgem mais adiante, na adolescência.

Calma, ainda tem brincadeira!

Mas cada vez mais voltadas para jogos e competições. Isso é ótimo para desenvolver a socialização e também a resiliência de saber perder e persistir.

Esportes coletivos, como vôlei e futebol, fazem a cabeça da meninada nessa idade. Para os momentos dentro de casa, os jogos de tabuleiro são uma ótima pedida.

Senso de justiça aflorado

Agora que entendem a razão das regras para se viver em sociedade e têm a empatia mais desenvolvida, passam a ser mais rigorosos com as regras e com a verdade. Eles até podem contar algumas mentirinhas para se dar bem ou se livrar de uma bronca, mas, quando descobertos, costumam se sentir superculpados.

No desenvolvimento cognitivo, ainda estão na fase operatório-concreta de Jean Piaget. Elaboram frases mais complexas, fazem somas e subtrações com facilidade e começam a entender a noção de frações, ainda com apoio de materiais concretos. Por volta dos 11-12 anos, adentram a fase operatório-formal, em que começa a fazer deduções lógicas mesmo sem objetos físicos e a entender conceitos mais abstratos.

O comportamento de algumas crianças pode regredir durante essa fase

É possível que retomem medos antigos, ou mesmo criem novos, fiquem mais grudadas nos pais. É parte da chamada crise dos 9 anos, em que elas percebem a mudança do corpo, a passagem do tempo. Acolha o sentimento e, ao mesmo tempo, busque transmitir confiança para ela adentrar a nova fase.

Aliás, é um momento importantíssimo para reforçar a autoestima da criança

Aos 9 anos, ela já sabe o que é certo e errado, mas também leva muito em consideração a opinião dos amigos. Ajude-a a lembrar sempre de suas habilidades, conquistas e superações até aqui.

A forma como cada criança lida com mais essa transição varia muito conforme a personalidade. Também a idade exata da “virada de chave” pode ser diferente.

Se seu filho souber que tem pais que confiam na capacidade dele, terá mais autoestima e coragem para bancar as próprias decisões. E saberá que, quando precisar, sempre terá um colinho para onde voltar.

E confie você também na sua própria capacidade de passar por mais uma transição. Você está indo muito bem!

E o melhor: nessa nova fase, é mais fácil entender o que se passa nas cabecinhas deles. Uma boa forma é revisitar nossas próprias lembranças e experiências, sejam boas ou ruins, para se inspirar ou fazer diferente.

É uma oportunidade para nós, de autoconhecimento e desenvolvimento, não só como mães e pais, mas como pessoas melhores. Afinal, seguimos crescendo juntos! 💛

Você também fica lembrando da sua própria infância/pré-adolescência quando vê os filhos chegando nessa fase? O que tem de parecido ou de diferente? Compartilhe sua experiência na nossa Rede de Carinho!