Tamanho da fonte: a a a
Ir para o conteúdo
Para mães e pais 
em fase de crescimento.

Reeducação alimentar: uma oportunidade para a família toda

Ninhos do Brasil NB
qua, 28/07/2021 - 10:30
A reeducação alimentar é representada pela foto de uma mãe que oferece um biscoito ao filho. A criança está sentada em uma mesa, onde há leite e biscoitos.

A reeducação alimentar é um processo de revisão dos hábitos alimentares para a adoção de opções mais saudáveis. É um novo começo. E não existe momento melhor para isso do que a introdução alimentar das crianças!

É a partir da introdução de novos alimentos que se inicia a educação alimentar e nutricional das crianças. É quando elas começam a formar seus hábitos e preferências.

E, se as crianças nos inspiram a querer viver mais e melhor, por que não embarcar nessa (re)educação junto? É uma bela oportunidade de aprendermos em família! Confira algumas dicas para deixar a família toda mais saudável.

5 dicas de reeducação alimentar para a família

Prontos para sentar à mesa junto com as crianças e dar um bom exemplo? Afinal, o exemplo é a melhor forma de educar as crianças. Queremos que ela coma beterraba e cenoura? Vamos comer junto!

É incrível como, muitas vezes, nos esforçamos muito mais por eles do que por nós mesmos, né? Então, vamos aproveitar essa motivação extra e melhorar a alimentação da família toda?

Reunimos 5 dicas para fazer da introdução alimentar do seu filho uma oportunidade de reeducação alimentar familiar!

1. Estudar sobre os alimentos e suas funções

Para ensinar, precisamos aprender! Não vamos virar nutricionistas, mas conhecer os principais grupos de macro e micronutrientes e os efeitos que têm no corpo ajuda na hora de fazer as escolhas.

E essa consciência alimentar e exemplo dos adultos também é uma boa forma de despertar o interesse das crianças para conhecer mais sobre o corpo humano e sobre o poder dos alimentos.

2 . Novas formas de preparo: menos sal e açúcar

No primeiro ano de vida, recomenda-se que as crianças comam comida com pouco ou nenhum sal. É um bom momento para descobrir o sabor dos temperos naturais e das especiarias, além do próprio gosto característico de cada alimento. E que tal você experimentar comer assim também, em vez de fazer comidas separadas?

Você sabia? Consumir excesso de sal constantemente pode aumentar a pressão arterial e causar problemas cardiovasculares no futuro. Por outro lado, os temperos naturais, como cebola e alho, têm ação antioxidante, que ajuda na defesa do nosso organismo.

Já sobre o açúcar, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) recomenda que não seja dado às crianças até os dois anos de idade. Mesmo depois, é importante que não seja em excesso ou que se use açúcares mais saudáveis que os refinados.

Algumas alternativas mais saudáveis que o açúcar refinado: mel, açúcar de coco, açúcar mascavo, açúcar demerara. Para adoçar bolos, você também pode apostar em frutas secas, como tâmaras ou uvas-passas. 

3. Fazer as refeições em família

Fazer as refeições em família sempre que possível e conversar sobre os alimentos é importante para as crianças, mas também para o próprio adulto desenvolver mais consciência no ato de comer. Assim, coloca em prática a sua própria reeducação alimentar.

Sem distrações externas (celulares e tablets guardados!), a atenção está naquele momento. Dessa forma, fica mais fácil perceber os sabores e texturas dos alimentos e os sinais de saciedade do corpo.

Você agindo assim aumenta a chance do seu filho(a) também praticar uma alimentação mais consciente e atenta! 😊

Você sabe como montar um prato saudável com porções equilibradas? Confira aqui

4  Encher a fruteira de casa e deixar à altura dos olhos e das mãos!

Evite ter guloseimas em casa. Bateu aquela fominha no meio da tarde? É só pegar uma fruta na fruteira! Outra dica é deixar algumas frutas, como melão, abacaxi ou manga, já picadinhas em potes transparentes na geladeira, de fácil visualização.

5. Experimentar alimentos novos você também

Além de modificar as formas de preparo, a introdução alimentar também é um momento de experimentar novos sabores e texturas. E isso vale para a reeducação alimentar dos adultos também!

Quantos legumes e vegetais você conhece, mas simplesmente ignora no supermercado? Chuchu, beterraba, quiabo, berinjela… que tal levar pra casa e pesquisar novas receitas?

O mesmo vale para frutas. Viu alguma fruta diferente na feira? Peça uma provinha ou então leve algumas para experimentar pela primeira vez junto com as crianças.

Outra forma de fugir das compras usuais é encomendar cestas prontas de frutas, legumes e vegetais da época. Em várias regiões do país, produtores rurais ou pequenas revendas oferecem serviços de assinatura. É uma forma de comer bem sem gastar muito.

E na sua casa? Como está o processo de educação e reeducação alimentar?

Na sua casa, quem come mais frutas e legumes?
- Os adultos
- As crianças
- Ninguém 😬
- Todo mundo! 😀

Você reduziu o consumo de açúcar na sua casa?
- Passou a adotar açúcares mais saudáveis?
- Cortou totalmente da sua vida?
- Sigo comendo normalmente?
- Come escondido das crianças?

Depois da introdução alimentar, você passou a comer algo que não comia antes?
- Sim, mais legumes e verduras
- Sim, mais doces e frituras
- Não, sempre comi coisas saudáveis
- Não, mas mudei a forma de preparo de muitos alimentos

Se nosso exemplo inspira nossos filhos a se alimentarem de forma mais saudável, vale todo o esforço para oferecer o nosso melhor. 

Pensando assim, que #MudaQueElasMudam virou o lema do programa Nestlé por Crianças Mais Saudáveis. E Ninhos do Brasil acredita muito e apoia essa ideia. Mudamos pelas crianças. E, assim, crescemos todos 💛. Vamos juntos?

Quer conversar com mais pais e mães sobre alimentação da família? Conheça a nossa Rede de Carinho!

Tags deste conteúdo
Mostre para mais alguém: