Tamanho da fonte: a a a
Ir para o conteúdo
Para mães e pais 
em fase de crescimento.

Como acalmar seu filho na hora em que ele sente medo?

Flávia Valadares FV
seg, 08/11/2021 - 10:30
Mãe de mãos dadas om a criança. Foco nas mãos entrelaçadas

Quem nunca sentiu medo quando era criança, levanta a mão aí! Medo de lobos, de ladrões, de abelhas, medo das bruxas, dos palhaços, de água e de escola. Todas as crianças vivenciam medos temporários que marcam as etapas de seu desenvolvimento.

Já parou pra pensar que o medo é fundamental para sua sobrevivência? O medo alerta para situações ameaçadoras ou que podem te prejudicar. Ele também ativa respostas para você atacar ou fugir quando está diante de uma situação muito ameaçadora.

O medo é uma emoção fundamental e universal. Cada ser vivo é programado para sentir medo em algumas situações. É como um sistema de alarme, que permite ao indivíduo intensificar sua vigilância e estabelecer reações defensivas.

Entendendo o medo das crianças e a importância dessa emoção 

As primeiras experiências de medo ocorrem muito cedo na vida. Assim, ao se deparar com ruídos repentinos ou sensação de queda, um bebê expressa esse sentimento com gritos, choro e movimentos descontrolados. Esse é um medo primário, de origem mais fisiológica. Na medida em que a criança vai crescendo, vão surgindo medos relativos a perigos reais ou imaginários que ameacem o vínculo entre a criança e seu ambiente protetor.

Como adulto, muitas vezes você fica tentado a silenciar o medo, tranquilizando a criança, negando o perigo, dizendo frases como “não tenha medo” ou “não seja covarde”. Preciso te falar algo bem importante: essas frases vão passar a impressão para a criança de que é errado sentir medo e que não é possível expressar livremente as próprias emoções.

Leia também: Vínculo emocional: cuidado com atitudes que podem atrapalhar

Os medos das crianças são legítimos e naturais. Por isso, não devemos julgá-los, mas aceitá-los, ouvindo a criança com muita atenção e empatia. O adulto deve ajudar a criança a expressar sua própria experiência, acolhendo e transmitindo um sentimento de apoio. 

Brincar, desenhar, contar histórias: estratégias que podem ajudar 

A sensação de não estar sozinho na luta contra o que se tem medo é muito importante para os pequenos, pois assim eles experimentam a possibilidade de enfrentar o desconhecido com maior segurança e confiança. Seu papel é respeitar a criança, sem diminuir seus medos.

Em vez disso, é importante ajudá-los a superar cada um e internalizar estratégias que funcionam. É essencial poder entrar no mundo da criança e nas suas histórias para compreender sua experiência e o significado dos medos que ela tem.

Uma boa estratégia é usar contos de fadas ou histórias nas quais é possível identificar e reconhecer medos, sobretudo quando se destacam as formas de superá-los. Brincar e desenhar também são boas estratégias em que a experiência emocional ganha vida e pode encontrar sua expressão.

Apresentar heróis positivos que enfrentam desafios com coragem, reduzindo adversidades, transmite confiança à criança. É uma forma lúdica de apresentar ferramentas e modelos de comportamento para administrar o que ela ainda não conhece.

Os livros são uma ótima maneira de ensinar as crianças a lidarem com as emoções! Confira seis indicações aqui.

O que os pais podem fazer quando a criança está com medo?

  • Não tente convencer seu filho a não ter medo.
  • Mantenha a calma e a confiança. A maneira como você fala com seu filho sobre os medos é tão importante quanto o que você diz.
  • Ao ajudar seu filho a enfrentar medos, descubra o que é confortável. Não force seu filho a fazer mais do que isso. 
  • Pratique as respostas de enfrentamento de várias maneiras: com desenhos, bichos de pelúcia ou com dramatização e histórias.

Empatia é o melhor caminho para lidar com o medo das crianças

De fato, o reconhecimento empático é a melhor estratégia que os pais devem usar. Aceite e reconheça o medo do seu filho: você estava com medo do palhaço, eu entendo, ele também me assustou quando saiu gargalhando no palco. Sem tentar resolver o problema para ele, mostre à criança seu apoio e sua compreensão diante desse novo desafio que ele terá que superar.

Você sabia que as crianças também adoram escutar o relato das suas experiências com alguma coisa que você tem ou teve medo? Depois de ouvir e acolher a criança, você pode contar suas próprias histórias de medo e de superação. Isso tranquiliza a criança, pois ela sabe que você também já passou por isso, que você viveu uma situação semelhante e foi capaz de vencer esse medo.
 

Quando o medo das crianças é motivo de preocupação?

Minha recomendação é que você consulte um médico ou psicólogo se os medos começarem a interferir nas atividades diárias ou se eles parecerem muito ansiosos na maior parte do tempo.

Para terminar, deixo para vocês uma seleção de frases calmantes para você dizer e acolher o medo do seu filho.

 

Mostre para mais alguém: