A+
A-
Para mães e pais 
em fase de crescimento.

Novidades:

Ninhos do Brasil + Carochinha Editora: Ninhos do Brasil se uniu à Carochinha Editora, selecionando histórias que auxiliam nas questões enfrentadas em diferentes fases. Confira!

Além do boletim: como lidar com problemas de aprendizagem

Monique Gonçalves MG
sex, 15/10/2021 - 18:32
menino escrevendo em um caderno

Diante de um boletim escolar cheio de notas baixas, o que você pensa primeiro? a) Meu filho não é bom em disciplinas tradicionais; b) Meu filho não está estudando o suficiente; c) Meu filho tem algum transtorno com déficit de aprendizagem; d) Os professores não estão sabendo ensinar.
 
Não existe uma resposta única e certa. Não custa lembrar a frase clássica: cada caso é um caso! Neste texto vou falar sobre alguns problemas de aprendizagem, como identificar e como lidar com eles. Vem comigo!

O que são problemas de aprendizagem?

Problemas de aprendizagem são desordens que afetam o ritmo de aprendizado do indivíduo. Isso pode estar relacionado a diversos fatores: ambientais, neurológicos, emocionais, metodológicos, cognitivos... Por isso que não devemos nos antecipar nos diagnósticos!
 
Normalmente, os problemas de aprendizagem são percebidos justamente na fase escolar. É quando a criança está lado a lado de outras da mesma faixa etária e não demonstra o desenvolvimento esperado.

O que fazer ao perceber que a criança tem problemas de aprendizagem?

É muito comum que a família, na melhor das intenções, busque ajuda com professores particulares ou um reforço escolar para melhorar as notas da criança. Mas isso nem sempre é o suficiente.
 
A primeira coisa a ser feita é acolher a criança e partir para uma investigação com ajuda profissional.
 
Tratar com carinho é essencial. O mais importante é não rotular a criança como “preguiçosa”, “desinteressada” ou “desleixada”. Isso só fará com que ela se sinta culpada pelo seu próprio fracasso escolar.
 
Saiba que a criança pode ficar mais vulnerável emocionalmente ao perceber que as outras crianças desenvolveram uma habilidade que ela ainda não adquiriu ou aprimorou. A dificuldade em assimilar os conteúdos e a comparação excessiva pode afetar a autoestima e abalar outros aspectos do desenvolvimento infantil. Por isso, é importante estimular e valorizar as habilidades em que a criança demonstra maior interesse e facilidade.
 
Lembre-se: a dificuldade de aprendizagem é um sintoma. A consulta a um especialista é fundamental para investigar a causa. Normalmente a própria escola pode fazer o encaminhamento, mas a iniciativa também pode partir dos pais.

Quais podem ser as causas dessas dificuldades?

As notas de avaliações na escola costumam ser uma pista de que algo não está bem. No entanto, não se trata apenas de notas escolares, mas de uma série de habilidades que podem estar em déficit e precisam ser trabalhadas, por isso é importante avaliar outros aspectos do desenvolvimento desta criança.
 
Em alguns casos, os problemas de aprendizagem podem estar relacionados a transtornos de que a família não tem conhecimento. Dislexia, discalculia, disgrafia e transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) são causas comuns.
 
Perceba que esses transtornos não são necessária ou exclusivamente transtornos de aprendizagem. Alguns são transtornos de neurodesenvolvimento, formados por alterações dos processos iniciais do desenvolvimento cerebral e, ao afetar funções intrínsecas ao aprendizado, resultam em dificuldades escolares.
 
É importante saber diferenciá-los para decidir a melhor forma de ajudar.

Dislexia

A dislexia é a dificuldade em ler e escrever. Envolve dispersão, falta de atenção e dificuldade de memorizar palavras, regras ortográficas e conceitos. Trata-se de um transtorno específico da aprendizagem de origem neurobiológica.

Discalculia

A discalculia é a dificuldade em compreender e assimilar regras, conceitos e operações matemáticas.

Disgrafia

A disgrafia é um distúrbio que dificulta a percepção e capacidade escrita, os sintomas estão relacionados ao ato motor, como, por exemplo: letras trêmulas, desorganização na escrita, traços muito grossos ou fortes demais entre outras características.

Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH):

O TDAH é um transtorno que se expressa frequentemente na infância e se caracteriza por sintomas de desatenção, inquietude e impulsividade. A criança com TDAH muito provavelmente apresenta na escola falta de concentração, hiperatividade, dificuldade de organização, planejamento e memória. E essas habilidades são fundamentais no processo de aprendizagem.

O que se deve observar no comportamento da criança?

Repare que a aprendizagem não acontece apenas na escola, mas em todos os lugares, o tempo todo. Por isso, a observação dos sintomas deve ser feita em mais de um ambiente e situação.
 
Na psicopedagogia, observamos alguns comportamentos e fazemos uma entrevista com as crianças, os pais e os educadores. É o que chamamos de anamnese, o primeiro passo de uma análise de hipótese diagnóstica.
 
Abaixo, cito algumas perguntas que os profissionais costumam fazer quando as famílias chegam com queixas de notas. Você pode aproveitar para começar a observar o comportamento da sua criança:
 

  • Quando as dificuldades foram percebidas e quais são as maiores dificuldades?
  • Como a criança percebe esse problema?
  • Como ela se organiza nas tarefas de casa?
  • Na hora de brincar, mostra noção de espaço e coordenação motora?
  • Reconhece o dia da semana em que estamos?
  • Consegue memorizar as etapas de uma tarefa?
  • Se concentra no momento da lição de casa?
  • Finaliza as atividades da escola?

É preciso analisar a vida da criança como um todo e não apenas um pedaço dela. Se ela apresenta dificuldade em sua vida cotidiana, é provável que isso influencie em seu desempenho escolar.

Valorize o processo da criança!

Calma, mãe! Calma, pai! Não precisa se desesperar se o desempenho escolar não está como você esperava.
 
Com o apoio de profissionais da psicopedagogia ou de outras especialidades do desenvolvimento humano (neurologia, neuropsicologia, fonoaudiologia etc.), é possível chegar a um diagnóstico das causas e traçar o melhor plano interventivo para ajudar a criança.
 
E não esqueça: ouvir a criança faz parte do processo. Ela precisa saber que será acolhida nesse momento desafiador.
 
Por fim, não foque apenas no que ela ainda não alcançou. As crianças que apresentam algum problema de aprendizagem também têm habilidades em potencial e isso precisa ser levado em consideração. Esse reconhecimento é fundamental para o processo de reabilitação. Dê valor aos interesses da criança: habilidades em teatro, dança, e até mesmo videogame, demonstram outros tipos de inteligência, e seu desenvolvimento é importantíssimo!
 
Leia também: O que é a psicopedagogia e como ela pode auxiliar as crianças.