A+
A-
Para mães e pais 
em fase de crescimento.

Novidades:

Ninhos do Brasil + Carochinha Editora: Ninhos do Brasil se uniu à Carochinha Editora, selecionando histórias que auxiliam nas questões enfrentadas em diferentes fases. Confira!

Adolescência do bebê? O que esperar das crianças de 2 anos?

Ninhos do Brasil NB
qua, 21/04/2021 - 14:56
Mãe sorridente carrega o filho no colo, ilustrando a fase conhecida como terrible two.

Um ano atrás, era uma criança aprendendo a caminhar. Agora, já está correndo por tudo. E, quando corre, é porque sabe para onde quer ir.

Se antes mal balbuciava, agora já consegue elaborar frases curtinhas de duas ou três palavras. Diz o que quer daquele jeitinho que às vezes nos derrete o coração. E que, outras vezes, nos faz querer arrancar os próprios cabelos!

É normal comemorar quando finalmente dorme (quem sempre?). Afinal, é um serzinho cheio de vontades enfrentando um adulto já bem cansado de correr atrás ou de tentar explicar por que precisa ir embora da pracinha ou trocar a fralda.

Esse é o seu(sua) filho(a) se transformando em uma criança. Parabéns!

Mas nem tudo é tão fofinho, verdade. Já te avisaram sobre a crise dos dois anos chamada de “terrible two” (terríveis dois anos, em inglês)? Bem, é um período marcado pelas famosas “birras”. É real e desafiador, sim.

Porém, quando a gente lembra que é parte do desenvolvimento emocional deles, que estão construindo a noção de identidade, dá para passar por essa fase de forma mais leve, com foco nas conquistas. E vocês têm muitas! Segue aqui, que a gente explica melhor. Neste artigo vamos falar sobre:

  • O desenvolvimento das crianças de 2 anos
  • É hora do desfralde?
  • A alimentação da criança de 2 anos
  • “Terrible two” – a crise dos 2 anos é mito ou verdade?
  • Como educar filhos de 2 anos e lidar com a birra

O desenvolvimento das crianças de 2 anos

Desenvolvimento físico médio na época do aniversário de 2 anos:
Peso médio: 9,7 a 15,3 kg
Altura: 81,9 a 93,9 cm
Horas de sono necessárias: 11 a 14 horas (inclui cochilos)

Aos dois anos, a criança está deixando a fase que Jean Piaget chamou de sensório-motora (em que ela aprende exclusivamente a partir dos sentidos) e, com a aquisição da linguagem, começando a entrar na fase simbólica ou pré-operacional.

Normalmente, ela fala de si na terceira pessoa usando “nenê quer” ou já tem um jeito todo peculiar de pronunciar o próprio nome.

Estima-se que crianças de 2 anos já saibam nomear (da sua forma) cerca de 300 coisas e se comuniquem com frases simples. Continue incentivando a fala sempre que ela pedir algo só apontando.

Em algumas crianças, a linguagem pode demorar um pouquinho mais, não precisa se assustar se esse for o seu caso. Mas converse sempre com o pediatra para avaliar outros indicadores de desenvolvimento. Se tiver algum atraso, ele saberá indicar um profissional para ajudar.

A coordenação motora está se desenvolvendo a milhão. Você pode estimular os movimentos mais finos oferecendo giz de cera e papel para os primeiros rabiscos. Massinha de modelar também faz sucesso nessa idade. Mas vale ficar sempre perto para que a criança não leve à boca.

Confira brincadeiras e atividades para fazer com a criança de dois anos!

É hora do desfralde?

Quando as funções motoras de pular, alternar os pés nas escadas começam a ficar mais desenvolvidas, normalmente é porque os músculos pélvicos e esfíncteres também já estão mais fortes. Aí vem mais uma dúvida: será que é hora do desfralde?

Essa é uma dúvida muito comum de mães e pais. Mais uma vez: não tem regra, crianças podem desfraldar com 2, 3 ou até 4 anos. Existem alguns sinais de prontidão da criança, mas também os pais precisam estar prontos para o processo.

Confira se seu filho deu sinais de que está pronto para dizer ‘tchau, fraldinha’!

✅ Avisa quando vai fazer ou fez xixi ou cocô?
✅ Já pula bem com os dois pés e alterna os pés na escada?
✅ Reclama ou tenta arrancar a fralda?

Se você respondeu sim nas três perguntas, pode ser um bom momento para testar. Mas antes responda a mais duas perguntas:

✅ O clima está bom para deixar a criança com menos roupa (e sujar menos roupas, consequentemente)?
✅ Tem um adulto que possa acompanhar a criança ao banheiro todas as vezes e lidar com a frustração e roupas sujas de eventuais escapes?

A menos que você more em uma região em que é sempre frio, essas duas questões – clima e disponibilidade dos pais – ajudam a passar pelo processo de forma muito mais tranquila! E aí, você já tem planos para as férias de verão?

Quer dicas sobre o processo de desfralde? Confira aqui!

A alimentação para criança de 2 anos

Os dois anos marcam o fim da orientação para amamentar a criança. Vale lembrar que não é obrigatório parar de amamentar aos dois anos e você pode entender o que funciona no seu dia a dia e na sua relação com a criança. O importante é garantir outras fontes de nutrientes e oferecer outras texturas e sabores.

Autonomia: com 2 anos, seu filhote já come quase tudo o que a família come e é capaz de comer sozinho – com a supervisão dos cuidadores, claro! Além de dar maior autonomia para a criança, isso ajuda a treinar os movimentos e fortalecer os dentes. Vale continuar estimulando!

Alimentação saudável desde cedo: a melhor forma é o exemplo! Todos à mesa? Incentive o consumo de verduras, frutas e legumes variados e dos vegetais verde-escuros. Um ou mais tipos de cereais devem compor toda refeição (arroz, macarrão, pão, quinoa, entre outros). Lembre-se das leguminosas e das proteínas, como feijão, lentilha, ervilha e carnes.

Se estamos todos nos desenvolvendo juntos, que seja da forma mais saudável!

Ah, e aos 2 anos não é indicado que a criança coma e beba refrigerantes, café, frituras, açúcar e sal em excesso e produtos embutidos (como linguiça, salame, salsicha, presunto, mortadela e outros).

“Terrible two” - a crise dos dois anos é mito ou verdade?

Criança de fraldinha limpa e bem alimentada, vamos falar do que mais assusta mães e pais de crianças de dois anos: a tão falada crise dos 2 anos ou “terrible two”.

De repente, aquela criança calma e risonha agora tem momentos de birra, gritos e choro e você não entende bem o que está acontecendo e não sabe o que fazer. Se identificou?

Bom, vocês chegaram na fase dos “terríveis dois anos”, também conhecida como adolescência do bebê. Ou seja, o “terrible two” não é um mito. A fase, que pode durar dos 18 meses até os 3 anos, faz parte do desenvolvimento da criança.

Mas, ainda que tenha esse nome, a criança de dois anos não é terrível: é alguém se percebendo enquanto indivíduo, descobrindo seus limites, medos e vontades – e sem recursos nem maturidade cerebral para expressar tudo isso.

Então, fique tranquila(o): não é falta de educação, nem uma falha sua.

Até pouco tempo atrás, seu filho(a) não falava e não tinha como dizer se estava com sono, com calor, com medo. Agora, cada vez mais, consegue se expressar. Ele começa a compreender que é um indivíduo separado de seus pais e aprende a dizer “não quero”, “agora”, “eu vou”.

A birra nada mais é do que uma forma de mostrar a frustração da criança. Nós não nos sentimos exatamente assim, muitas vezes? Também ficamos frustrados quando nosso filho não se comporta como desejamos, na hora e no local que queremos. Quem nunca sentiu vontade de gritar ou chorar por causa disso?

A diferença é que agora somos nós os adultos da relação, de quem se espera mais controle. E precisamos não só aprender a lidar com essa nossa própria frustração, como ensinar um outro serzinho a passar por isso.

Como educar filhos de 2 anos e lidar com a “birra”

Tente se lembrar, mesmo nos momentos desafiadores, que educar não é algo simples e que todas as mães e pais temos nossas dificuldades. Não se culpe, tal como a criança, não nascemos sabendo.

Mas estamos sempre prontos para aprender e compartilhar dicas. Essas quatro valem ouro:

Dica 1: não adianta fazer muita coisa no exato momento em que a criança faz a birra. Gritar, tentar falar, bater, castigar não vai resolver nessa hora. Deixe a criança parar e espere com paciência. Se estiver em lugar público, não tenha vergonha e não ligue para o olhar de outras pessoas: você está dando seu melhor.

Dica 2: quando o pequeno se acalmar, explique o que ele fez de errado, de preferência, olhando no olho. Pode ser difícil, mas tente usar um tom carinhoso e próximo. Por exemplo: “eu te amo e por isso preciso te ensinar. Quando você faz isso, eu fico triste. Isso é ruim por causa disso e daquilo”.

Se acontecer de novo, repita o processo. A educação acontece pelo exemplo e pela repetição.

Dica 3: para evitar uma próxima birra, tente oferecer duas opções para a criança, dentro do que é necessário que ela faça. Por exemplo: se ela tem o costume de se recusar a tomar banho, comece perguntando qual xampu ela quer usar hoje. Na hora de comer, deixe que ela escolha a colher com a cor que ela mais gosta. São escolhas simples para nós, mas que passam a sensação de autonomia para eles.

Dica 4: busque diferenciar a birra dos processos de descoberta. Nem sempre que a criança joga algo no chão é sinal de que ela está frustrada. Às vezes, ela está sendo curiosa. Nesse caso, vale ter ainda mais carinho e paciência para explicar que, por exemplo, as coisas quebram quando caem.

O lado bom – além do desenvolvimento emocional da criança – é que, depois que passamos por essa fase com eles, esse aprendizado fica também para as nossas vidas.

Aprendemos a respirar fundo, lidar com as nossas frustrações e enxergar melhor os sentimentos do outro. Vamos juntos? 💛

Você está testemunhando a crise dos dois anos por aí? Conte sua experiência na nossa Rede de Carinho!