A+
A-
Para mães e pais 
em fase de crescimento.

Novidades:

Ninhos do Brasil + Carochinha Editora: Ninhos do Brasil se uniu à Carochinha Editora, selecionando histórias que auxiliam nas questões enfrentadas em diferentes fases. Confira!

Criança de 6 anos: transições importantes estão vindo

Ninhos do Brasil NB
qua, 21/04/2021 - 12:26
Mãe e filho, uma criança de 6 anos, estão sentados no chão de um espaço ao ar livre. A mãe olha para o filho, que o abraça.

Primeira mudança: os dedos de uma só mão não são mais suficientes para mostrar a idade da criança. Ela completou 6 anos! Uau!

Ok, essa é a menos significativa das mudanças da idade 🤨. Aos seis anos, transições importantes acontecem ou estão prestes a acontecer. Nosso pequeno está se transformando numa criança grande!

Aquele sorriso de dente de leite ganha uma janelinha, pode ir para uma nova escola, conhecer novos amiguinhos. E nós, mães e pais, como estamos vendo e vivendo todas essas transições? Vamos conversar sobre isso?

Aliás, conversar é a chave para passar pela fase da forma mais saudável. Neste artigo vamos saber mais sobre:

  • O desenvolvimento das crianças de 6 anos
  • O primeiro ano da escola fundamental
  • Com quantos anos cai o primeiro dente?

O desenvolvimento das crianças de 6 anos

Desenvolvimento físico médio na época do aniversário de 6 anos:
Peso: 16,87 a 26,63 kg (meninas) | 17,46 a 27,71 kg (meninos)
Altura: 108 a 125,4 cm (meninas) | 108,5 a 126,2 cm (meninos)
Horas de sono necessárias: 9 a 12h

De acordo com as fases do desenvolvimento infantil de Jean Piaget, as crianças de 6 anos estão no fim da fase simbólica pré-operatória. Como fase de transição, muita confusão emocional ainda pode acontecer.

Reunimos algumas dicas de quem já passou por isso, para ajudar nesse momento:

Espere um bom diálogo, mas não necessariamente lógico

As noções de certo e errado, de fantasia e realidade ainda podem se misturar um pouco. Mas a expressão está cada vez melhor.

Junto às mudanças comuns do período, a criança pode apresentar alguns sinais de ansiedade (compreensível, né?). Por isso, é importante ouvirmos o que ela tem a dizer sobre o momento – e aqui a fantasia e os desenhos podem ser a forma dela se expressar. Esteja atento e não hesite em procurar ajuda na escola ou de profissionais para decifrar o que está acontecendo na cabecinha dela.

Confie pequenas tarefas

No comportamento, a criança está mais preparada para assumir pequenas responsabilidades do dia a dia: pode ajudar a colocar a mesa antes do almoço, levar o próprio prato para a pia depois e mesmo assumir a rega de uma plantinha. Demonstre seu orgulho com essas pequenas atitudes para encorajar a prática. Claro que ainda pode ter algumas resistências, mas, com a rotina se estabelecendo, elas tendem a ser um pouco menos frequentes. (assim esperamos!).

Estimule brincadeiras com regras mais claras

No aspecto motor, as habilidades e o equilíbrio estão ainda mais desenvolvidos. Continue estimulando brincadeiras ao ar livre, com bola, desvios de obstáculos, brincadeiras com regras simples e pequenas competições com contagem de pontos.

Seu(sua) filho(a) sabe lidar cada vez melhor com regras – e gosta de criar as suas também! Aos poucos, com sua paciência para ensinar e lidar com as frustrações, ele vai entender que a brincadeira fica melhor quando é justa para todos.

Veja também: brincadeiras e atividades para crianças de 5 a 6 anos

O primeiro ano da escola fundamental

As crianças que completam seis anos de idade até o dia 31 de março já podem ser matriculadas no primeiro ano do fundamental. Que passo importante!

Mas vá com calma na expectativa. Diferente da antiga primeira série, essa etapa ainda não tem o objetivo de necessariamente alfabetizar a criança, mas sim de criar a base para o aprendizado futuro.

No primeiro ano, as crianças vão sendo introduzidas ao universo das letras e dos números, de forma lúdica, formando hipóteses sobre a distribuição de letras e palavras. Não tem motivo para acelerar esse processo só porque a filha da vizinha começou a ler com 5 anos.

Leia também: quando é a hora da alfabetização?

Se seu filho ou filha completa seis anos a partir de abril até dezembro, ele ainda está na educação infantil, mas se preparando para esse grande momento!

Dica: se a pronúncia das palavras ainda não estiver clara e ainda houver muita troca de fonemas, o acompanhamento de um fonoaudiólogo pode ser indicado para reduzir as dificuldades da alfabetização que está chegando. Vale conversar com o pediatra para avaliar a necessidade.

É possível que uma mudança de escola aconteça só no ano seguinte. Se esse for o caso, você pode estimular conversas sobre a escola futura, sempre de forma positiva, criando uma expectativa feliz. Se possível, leve a criança para conhecer o espaço, a professora, o pátio e a sala de aula.

Com quantos anos cai o primeiro dente?

O primeiro dente de leite costuma cair por volta dos 6 anos, para ser substituído pelo dente permanente. Às vezes dá uma agonia de ver aquele dente molinho prestes a cair, mas é assim mesmo. Continue estimulando a mastigação e oferecendo alimentos duros normalmente, para que o processo ocorra de forma natural.

E não é porque vai cair que vamos relaxar na higiene, hein? Mesmo que seu filho já saiba escovar sozinho, vale aquele reforço depois no fio dental. Assim, diminuem os incômodos e as inflamações durante o processo.Mãe ajuda sua filha, uma criança de 6 anos, a escovar os dentes em frente ao espelho. Ela sorri e olha para a jovem.

Ainda assim, alguns pequenos sangramentos podem ocorrer no nascimento dos dentes novos. Tudo normal! Nesse caso, ofereça uma bolinha de algodão ou gaze para a criança morder por alguns minutos até cessar o sangramento.

Transmita calma para a criança e comemore junto mais essa etapa do crescimento. Além disso, uma visita ao dentista, para acompanhar o processo e avaliar a dentição futura é aconselhável para orientar pais e crianças.

Ah, e a história da fada do dente pode ser uma boa ajuda para encarar o período da “janelinha” entre os dentes com mais alegria (e sorrisos banguelas 💛).

Bem, para abrir a conversa, falamos aqui de duas transições bem importantes dessa idade. Qual outra questão está martelando aí para você, mãe e pai de crianças de 6 anos? Compartilhe sua história ou dúvida na nossa Rede de Carinho!

Vamos seguir conversando e crescendo junto com eles!