A+
A-
Para mães e pais 
em fase de crescimento.

Novidades:

Ninhos do Brasil + Carochinha Editora: Ninhos do Brasil se uniu à Carochinha Editora, selecionando histórias que auxiliam nas questões enfrentadas em diferentes fases. Confira!

Criança com deficiência também pode (e deve) brincar

Ninhos do Brasil NB
qua, 22/12/2021 - 10:30
mãe brincando na piscina com criança deficiente

Crianças, com deficiência ou não, amam brincar e precisam disso para se desenvolver. Mas, seja por proteção, desconhecimento ou preconceito, muitas acabam excluídas das brincadeiras.  Vamos mudar essa realidade, tornando-a mais inclusiva - e divertida - para todas as crianças?

Segundo a Declaração Universal dos Direitos da Criança, todas as crianças devem ter acesso e desfrutar de jogos e brincadeiras dirigidos para a educação. Através do ato de brincar, elas desenvolvem diversas habilidades sociais, motoras e cognitivas. As crianças com deficiência também brincam - e com isso superam dificuldades!

A legislação brasileira também é bem clara quanto à  educação inclusiva: crianças com deficiência devem ser incluídas tanto no estudo quanto no convívio. E as escolas devem ter estrutura e pessoal capacitado para promover a inclusão da forma mais abrangente possível.

Os desafios da inclusão para a criança com deficiência

Boa parte das inseguranças que pais e pedagogos têm para incluir crianças com deficiência parte do desconhecimento de como incluí-las da melhor forma. Esse receio é natural, mas, com boa vontade e buscando formas de acessibilidade, as brincadeiras e o convívio se tornam cada vez mais naturais. 

O professor de Educação Física Libório Pedro Janssen Daniele lembra que qualquer atividade ou esporte pode ser adaptado para incluir as crianças com deficiência. E dá sua receita para tornar essa inclusão mais efetiva:

“O professor consegue dar uma aula boa, inclusiva, quando olha a criança pelas suas potencialidades e não pelas limitações. Acho que essa é a diferença entre dar uma aula inclusiva ou não”.

Claro que essa inclusão nem sempre acontece de súbito, é um processo que precisa ser construído diariamente. Essa é uma tarefa que Fernanda Maysonnave de Oliveira, mãe de Miguel, 2 anos e 7 meses, decidiu abraçar para ajudar na adaptação do filho ao mundo.

“A gente está trabalhando bastante a questão da inclusão na escola. Como o Miguel é autista, ele não tem muito interesse pelos colegas, e os colegas acabam também não tendo muito interesse nele. Então, a gente acaba criando materiais, palestras, formas de explicar para as crianças a diversidade. Então isso está sendo trabalhado na escola agora, para que a gente consiga fazer com que ele interaja mais com os colegas. Não é uma interação típica, ela não acontece tão naturalmente quanto as das crianças típicas, mas, devagarinho, ela vai acontecendo, gradualmente”, diz ela. 

Dicas de brincadeiras inclusivas para criança com deficiência

Brincar é bom demais, não é? E, além disso, fundamental para o desenvolvimento infantil. E as crianças com deficiência podem ser incluídas no mundo mágico das brincadeiras desde muito cedo. 

Por exemplo, o pequeno Bernardo, que tem síndrome de down, aos 4 meses de idade já tem uma rotina semanal de atividades e manifesta suas preferências:

“Ele gosta de chocalhos e também brinquedos que tenham luz. Já rola e pega os brinquedos que deixamos perto. Agora, ele gosta de ficar na cadeirinha bumbo, que usamos para que ele fortaleça o tônus muscular do tronco e aprenda a sentar”, conta sua mãe, Audri da Silva.

Seguir brincando e se divertindo ao longo de toda a infância é fundamental para que todas as crianças sejam incluídas. Por isso, trouxemos dicas para facilitar a implementação de brincadeiras acessíveis e inclusivas:

  • Respeite o tempo de cada um 
  • Respeite o ritmo de aprendizagem da criança
  • Pergunte diretamente à criança se ela precisa de ajuda
  • Respeite se ela não aceitar a ajuda
  • Trate-a conforme a idade dela
  • Nunca subestime as capacidades da criança
  • Pergunte à família se a criança tem alguma restrição para brincadeiras 

Brincadeira segura: a que prestar atenção na hora de brincar

Os cuidados com segurança  sempre são necessários quando as crianças estão brincando, tenham elas deficiência ou não. Elencamos alguns pontos importantes a ficar de olho para garantir que, além de saudável e divertida, a brincadeira seja segura:

  • Se a dinâmica precisar do uso de tesouras, elas devem ser de ponta arredondada
  • Preste atenção a peças pequenas ou imãs que possam se soltar dos brinquedos
  • Sempre olhe ao redor do lugar que a brincadeira será realizada. Veja se não há nada que pode causar um acidente, como pregos, vidro ou objetos pontiagudos
  • É sempre importante que haja um adulto responsável acompanhando a brincadeira
  • Dê preferência para locais acessíveis, com pisos regulares, rampas de acesso e antiderrapante

Como tornar os brinquedos mais acessíveis para a criança com deficiência?

Não há como desassociar brincadeiras de brinquedos. Crianças amam brinquedos e eles são parte significativa da vivência e da socialização infantil. Por isso, é importante pensar também em como eles podem ser mais acessíveis e inclusivos.

O projeto Incluir Brincando, da Vila Sésamo em parceria com a Unicef, criou um guia com dicas e sugestões de brincadeiras acessíveis. Reunimos algumas sugestões aqui:

Brincadeiras que exploram os sentidos

Adivinhar objetos pela cor, textura, tamanho, cheiro ou barulho é um ótimo exercício para crianças com ou sem deficiência. Da mesma forma, explorar diferentes tipos de comunicação, como desenhos e mímicas, com placas e sinalizações, é diversão garantida para a criançada. Além de prepará-las para lidar com interações em outros momentos da vida. 

Cores

Brinquedos com cores chamativas são extremamente estimulantes para qualquer criança. Mas, quando falamos sobre acessibilidade, os brinquedos que apresentam cores com maior saturação e contraste facilitam a visualização daqueles que têm baixa visão. 

Brinquedos com som

Além das cores vibrantes, um guizo torna a brincadeira com bola também sonora e acessível àqueles que têm baixa visão. 

Brinquedos com palavras

Brinquedos com palavras escritas facilitam muito os processos cognitivos de associação e alfabetização. No entanto, quando o assunto é inclusão e acessibilidade, é muito importante que essas palavras também estejam escritas em braile. Brincadeiras de associação de palavras como essa podem ser também uma ótima oportunidade para introduzir o aprendizado de libras!


Inclusão tem a ver com aceitação, tolerância, compreensão e reconhecimento do outro como diferente, mas igual em dignidade e direitos. E isso também se aprende brincando!

E aí, se animou e está a fim de conhecer novas brincadeiras para apresentar a crianças de todas as idades? Com criatividade, é possível adaptar para que todos possam se divertir. Confira dicas neste artigo:

Tags deste conteúdo