A+
A-
Para mães e pais 
em fase de crescimento.

Novidades:

Ninhos do Brasil + Carochinha Editora: Ninhos do Brasil se uniu à Carochinha Editora, selecionando histórias que auxiliam nas questões enfrentadas em diferentes fases. Confira!

Alfabetização em foco: 7 perguntas e respostas sobre o processo

Ninhos do Brasil NB
seg, 02/05/2022 - 10:00
Mulher negra, usando blusa amarela, com cabelos lisos, está sentada em uma mesa acompanhada de uma garota, com aproximadamente 8 anos, negra, de cabelos cacheados e presos no alto da cabeça, usando blusa listrada. Elas estão desenhando letras em um caderno. O fundo é uma sala de casa.

Ah, a alfabetização! Fase em que a criança entra para o mundo fascinante da leitura e da escrita!

Muito além de juntar letras em sílabas, palavras e frases, a alfabetização revela uma nova forma de ser e estar no mundo.

É a partir desse novo conhecimento que a criança conseguirá processar novas informações e exercer o pensamento crítico.

Escola e família precisam andar lado a lado para que a alfabetização seja o mais eficiente e construtiva possível.

Vamos entender mais sobre o assunto?

O que é alfabetização?

De forma resumida, a alfabetização consiste no desenvolvimento das habilidades de leitura e escrita, utilizadas como parte da comunicação do indivíduo com o mundo. 

Na vida da criança, é um marco para sua expressão individual e compreensão das inúmeras informações que recebe.

Sendo assim, quanto mais estímulos ligados à leitura a criança recebe, mais chances ela tem de se adaptar rapidamente à alfabetização. 

Qual é a diferença de alfabetização e letramento?

Enquanto a alfabetização tem a ver com as competências de leitura e escrita, o letramento está relacionado à capacidade de usar esses conhecimentos em uma dimensão social.

Dessa forma, letramento é como alguém interpreta informações, reflete sobre o que aprendeu, cria opiniões, organiza e comunica seus discursos.

Pode-se dizer que uma pessoa alfabetizada reconhece o alfabeto e o sistema de escrita.

Mas uma pessoa letrada consegue utilizá-los em diversos contextos, como ler uma notícia, fazer um texto argumentativo etc.

Quando se inicia o processo de alfabetização?

O processo de alfabetização costuma acontecer até o final do primeiro ano do Ensino Fundamental. Mas ele não começa de uma hora para outra: inicia ainda em casa e na educação infantil.

Aos poucos, a criança se familiariza com a presença de um código e percebe que os adultos o leem.

Depois, capta as diferenças e semelhanças das palavras e desenvolve habilidades motoras e cognitivas que vão auxiliar na alfabetização em si.

De acordo com a Base Nacional Comum Curricular, o acesso ao Ensino Fundamental deve acontecer aos 6 anos de idade. Logo, o Ensino Infantil compreende a faixa etária de 0 a 5 anos.  As crianças que completam 6 anos de idade até o dia 31 de março já podem ser matriculadas no primeiro ano do Ensino Fundamental.

Mas, assim como em vários aspectos do desenvolvimento infantil, o início do processo de alfabetização pode variar de uma criança para outra. 

Afinal, essa jornada depende dos estímulos culturais que a criança recebe. Geralmente, por volta dos 2 e 3 anos, ela já convive com sons, cores, letras, sílabas e histórias.

Lá pelos 4 anos, o contato com livros e gibis, por exemplo, já pode ser mais próximo. Tudo isso ajuda o processo de alfabetização a ser mais fácil e natural.

De qualquer forma, é importante observar e respeitar o tempo do seu pequeno explorador nas etapas de aprendizado.

Quais são os processos de alfabetização?

Na década de 1970, as pesquisadoras Emília Ferrero e Ana Teberosky publicaram o livro “Psicogênese da Língua Escrita”.

No estudo, elas dividiram o processo de alfabetização em etapas que são consideradas até hoje.

  • Pré-silábica - Quando a criança rabisca e desenha letras, mas ainda não sabe o que elas significam (às vezes a gente nem identifica que são letras, estão mais para traços e símbolos). São as chamadas garatujas.
  • Silábica - Aqui, a meninada já compreende que letra é um pedacinho de uma palavra e tenta representá-las. Um exemplo é quando a criança coloca letras aleatórias no papel e fala o que está escrito, podendo corresponder ou não ao som da palavra: EOA (escola) ou TEK (para escola também).
  • Silábica-alfabética - A criança já entende que as sílabas têm mais de uma letra e que elas precisam de uma conexão. Escreve “ecola”, por exemplo.
  • Alfabética - Nessa última fase, a criança já sabe traduzir os fonemas em palavras. É uma escrita alfabética, e não ortográfica, então é comum que alguns erros apareçam. Por exemplo: “fasenda”, “treis” e “amtes”.

Como iniciar os processos de alfabetização?

Caso você esteja se perguntando “mas o que ensinar primeiro na alfabetização?” a dica é começar com brincadeiras, jogos, músicas e identificação das cores, por exemplo, sempre explorando a criatividade dos pequenos.

Vale ler livros para as crianças, deixá-las brincar com eles e estimular o aprendizado com perguntas. Escutar músicas infantis com elas também é uma boa ideia e, se possível, associar palavras a imagens.

Ah, o exemplo também conta muito: uma casa com cuidadores que gostam e têm o hábito de ler é um estímulo e tanto.

Sempre que a criança perguntar o que está escrito em algum lugar, como numa placa, por exemplo, responda e deixe-a observar o objeto.

Não custa lembrar: quanto mais a criança estiver inserida em um ambiente que colabore com a alfabetização, melhor e mais rápido ela aprende.

Quais são as principais dificuldades durante a alfabetização infantil?

Existem diversos fatores associados às dificuldades durante a alfabetização.

Como o contexto socioeconômico da criança, faltas constantes na escola e lacunas no ambiente familiar que distanciam a criança da leitura.

Há também questões cognitivas, como atraso na fala, baixa consciência fonológica ou comprometimentos sensoriais.

Algumas crianças podem enfrentar transtornos de aprendizagem, como dislexia ou discalculia.

É importante lembrar que quando se fala em alfabetização, a escola é o caminho e os professores são facilitadores desse processo, mas a família é grande aliada.

Como ajudar com as dificuldades da alfabetização infantil? 

Participar ativamente da rotina escolar das crianças é fundamental para enfrentar os desafios da alfabetização infantil.

Acompanhe o aprendizado em casa, mantenha diálogos com os professores e com a escola, demonstrando disposição e interesse em fazer parte desse processo. 

Assim, é possível entender melhor quais são as dificuldades do seu filho, quais são os assuntos que precisam de reforço e como você pode ajudá-lo. 

Conheça o Conta Pra Mim, um projeto do Ministério da Educação que 
incentiva a literacia familiar e o envolvimento na alfabetização.

Vale lembrar que não se deve pressionar a criança ou compará-la com os colegas, e sim estimulá-la a aprimorar as habilidades. 

Outro ponto importante é valorizar os professores, além de ensinar os filhos a reconhecer e respeitar a importância desses profissionais.

Toda parceria entre os pais e a escola é válida porque a alfabetização acontece na sala de aula, mas é no dia a dia em casa que a criança pode desenvolver aquilo que está aprendendo.

Que tal ajudá-las a aprender brincando?

10 jogos para alfabetização

Saber como alfabetizar de forma lúdica é uma ajuda e tanto para o processo de alfabetização. Algumas brincadeiras e jogos com sequências lógicas, além de apresentar as letras, estimulam o raciocínio e a concentração necessários para o processo. 

Confira dez dicas de brincadeiras desse tipo: 

  1. Jogo da memória
  2. Jogo da forca
  3. Sudoku (com números ou desenhos) 
  4. Palavras cruzadas
  5. Caça-palavras
  6. Stop (também conhecido como adedanha ou adedonha)
  7. O que é, o que é?
  8. Anagramas
  9. Criptogramas
  10. Bingo

Adapte cada jogo ao nível de alfabetização da sua criança e divirta-se com ela! 

Vocês podem confeccionar juntos esses jogos, fazendo no papel, ou procurar aplicativos e sites online.