A+
A-
Para mães e pais 
em fase de crescimento.

Novidades:

Ninhos do Brasil + Carochinha Editora: Ninhos do Brasil se uniu à Carochinha Editora, selecionando histórias que auxiliam nas questões enfrentadas em diferentes fases. Confira!

Adaptação escolar: como ajudar as crianças em cada fase

Ninhos do Brasil NB
qua, 20/04/2022 - 10:00
Uma mãe está agachada em frente a sua filha, perto de um portão. A menina está de mochila, olhando para a mãe e segurando um urso de pelúcia.

A adaptação escolar costuma mexer com os sentimentos da família toda. Por um lado,  o entusiasmo de ver os filhos crescendo e começando algo tão importante. Do outro, a angústia da separação e a insegurança em relação à maior exposição a doenças.

A criança também experimenta um mix de emoções quando vai à escola pela primeira vez: ansiedade, medo e euforia acompanham a mudança de rotina. 

Por isso, a preparação prévia e uma transição tranquila são essenciais para garantir uma boa relação com o novo ambiente. Além disso, ajuda a evitar que o estresse de uma adaptação traumática afete o sistema imunológico e abra caminho para infecções.

Mantenha a calma que a gente te ajuda! Confira algumas atitudes que podem facilitar a adaptação escolar para a criança e para a família. 

O que é adaptação escolar?

A adaptação escolar é o período de familiarização da criança com algo novo na escola. A primeira vez fora de casa, a transição para um novo colégio ou mesmo uma mudança de horários, de turma e de professores precisa ser feita com muito carinho.

Quando é a primeira experiência escolar da criança, a adaptação costuma ser gradual. Em algumas escolas, ela pode ser feita um pouco por dia: ficando uma hora, depois duas, até cumprir a carga horária completa. 

Em outras, os pais entram junto na sala de aula até a criança criar confiança nos educadores. Porém, a pandemia nos obrigou a rever algumas práticas

Cada escola tem uma política para que a adaptação seja tranquila para todos os envolvidos. Por isso, vale a pena conversar sobre isso quando estiver escolhendo a instituição. Isso ajuda pais e filhos a se prepararem melhor para a nova fase que está começando.

Quanto tempo dura a adaptação escolar?

O tempo para a adaptação escolar varia de acordo com a personalidade da criança e a política da escola. Em geral, a adaptação pode durar entre alguns dias a um mês. Não há uma regra, mas ela tende a ser mais fácil e mais rápida quando a criança é um pouco mais velha e capaz de verbalizar melhor os sentimentos. 

A forma como a família lida com a novidade também pode influenciar nesse tempo. Insegurança por parte dos pais, ausência de uma rotina fora da sala de aula e até mesmo falta de envolvimento dos responsáveis podem estar entre os fatores que atrapalham a adaptação da criança à nova realidade.

Quais são as principais dificuldades da adaptação escolar?

Entender as principais dificuldades da adaptação escolar é o primeiro passo para vencê-las! Saiba mais sobre cada uma delas:

  • Choro na hora de dar tchau

Só quem viveu sabe! Chorar na hora da despedida dos pais é bastante comum. O choro é uma forma de a criança comunicar que não está confortável com algo. Ele normalmente vem associado a alguma das dificuldades que listamos a seguir. 
Ou seja, olhando com atenção e carinho para as razões do choro, podemos juntos – família e escola – superar as lágrimas.

  • Família muito insegura ou ansiosa

Sabemos que é quase inevitável sentir um pouco de ansiedade e insegurança diante de uma mudança importante. Mas a criança percebe nossos sentimentos. 
Para transmitir confiança para os filhos, a família precisa antes confiar e se sentir segura também. Por isso, é importante conversar muito com a escola antes de começar.

  • Falta de compreensão sobre o processo da escola

A família precisa conhecer os procedimentos da escola antes de começar a adaptação escolar. Da mesma forma, é importante que os pais contem aos educadores mais sobre a criança, seus comportamentos e preferências. Isso torna a mudança um pouco mais previsível para todos. 

Se possível, é interessante levar a criança para conhecer o espaço e as pessoas antes de começar efetivamente a adaptação escolar. Nesse momento, é importante elogiar o espaço, os brinquedos e os educadores. Ao mesmo tempo, e com empolgação, explicar para a criança como esse novo ambiente passará a fazer parte da vida da família. 

Importante: mesmo que a criança pareça entretida nas brincadeiras da escola, não saia sem se despedir. Ela precisa saber que você vai sair e voltar, e que não apenas “desapareceu” de repente. 

  • Medo de mudança

Se seu filho está mudando de escola, é normal que ele se sinta triste, tenso ou irritado. Lembre-se de quando você mudou de escola ou de emprego – e todas as inseguranças que vinham junto. 
“Será que vão gostar de mim? Será que eu vou gostar dos outros?”. Compartilhar esses sentimentos com a criança é uma boa forma de demonstrar empatia.

  • A criança não gostar da escola

Ela está se adaptando, e a recusa do desconhecido é compreensível. Nesse caso, é importante conversar novamente com a escola para juntos pensarem em formas de conquistá-la. Se possível, vale marcar uma atividade fora da escola com a família de algum coleguinha para fortalecer o vínculo.

Cuidados com a imunidade na adaptação escolar

Seja no primeiro dia de escola da vida ou na volta às aulas, a preocupação com as doenças virais é uma constante. O contato com um maior número de pessoas expõe nossos filhotes também a um maior número de bactérias e vírus. Faz parte!

O estresse envolvido na novidade pode ainda enfraquecer o sistema imunológico da criança. Aí, já sabe: abrem-se as portas para gripes e resfriados. 😷

Então como fortalecer o sistema imunológico dos pequenos aventureiros, agora estudantes? Confira algumas dicas a seguir:

  • Oferecer uma alimentação saudável e equilibrada, rica em macro e micronutrientes. Entenda mais sobre nutrientes fundamentais para crianças aqui.
  • Beber muita água. Veja a importância da hidratação aqui.
  • Fazer a adaptação de forma acolhedora e empática para minimizar o estresse.
  • Seguir o esquema vacinal conforme as orientações do Ministério da Saúde ou do seu pediatra.
  • Certificar-se sobre os protocolos sanitários seguidos pela escola e orientar a criança sobre a higiene das mãos e uso de máscara.

Adaptação escolar em cada fase

Da creche à alfabetização, família e crianças vão passar por alguns desafios, mas todas essas fases têm algo em comum: com o tempo, tudo se ajeita.

Adaptação escolar aos 6 meses

Essa separação temporária precisa ser treinada antes de o bebê começar a frequentar o berçário. Vale deixá-lo com a tia, avó ou outras pessoas da sua rede de apoio para ele começar a entender que você sai, mas volta. 

Deixar o leite materno na escola e escolher um cheirinho para que ele se sinta em casa ajuda muito a tranquilizar o bebê. 

Nessa fase, as crianças estão mais vulneráveis a infecções e não podem usar máscaras. Por isso, é importante conversar bastante com a escola sobre os protocolos sanitários seguidos.

Adaptação escolar até 3 anos

Até os 3 anos, a adaptação escolar passa a ser mais complexa, exigindo mais atenção. Agora, os pequenos estão começando a entender o que é a escola, e a perceber o que é estranho e o que é familiar para eles. 
Nessa idade começa a existir uma resistência maior, mas é importante manter a paciência, falar sobre as coisas positivas e não descuidar da rotina. 

Adaptação escolar entre 4 e 6 anos

Na janela entre 4 e 6 anos, o período de adaptação escolar começa a ficar mais tranquilo. A criança já entende a escola como um espaço familiar e compreende o funcionamento dessa rotina e anseia pela interação com outras crianças. 
Quando alguma novidade aparece, ela começa a aprender a lidar e conversar sobre esses sentimentos. 

Adaptação escolar acima de 7 anos

Normalmente, a partir dos 7 anos, a criança já sabe como lidar com o processo de adaptação escolar por conta das vivências anteriores. Ela faz amigos, conhece os professores pelo nome e sabe dizer do que gosta e do que não gosta. 
Ainda assim, pode haver inseguranças sobre as novas relações que vão se formar. Diálogo e empatia são o segredo do sucesso.

Como ajudar na adaptação escolar?

Entender as inseguranças das crianças que estão passando por alguma mudança na escola é fundamental para ajudar na adaptação.

Converse com outros pais para trocar experiências sobre esse momento e busque participar das atividades familiares que acontecem na escola.

Peça ajuda também aos professores, tente compreender como é a dinâmica da sala de aula e como seu filho está se adaptando a ela. Conversar com a criança também é muito importante: mesmo que ela não saiba explicar com clareza o que está sentindo, construir essa confiança é fundamental. 

Adaptação escolar na volta das férias: como se preparar?

Voltar para a rotina depois de um tempo de descanso e diversão nunca é fácil, nem mesmo para os adultos. Com a volta às aulas, apresentar novos professores, conteúdos, horários e colegas é mais um desafio. 

Se a adaptação escolar pós-férias acontece no começo do ano letivo, ou seja, no início de uma nova série, converse sobre esse momento novo. Vale também lembrar a criança de que ela vai rever os amigos, fazer novos colegas e aprender coisas diferentes. Chamá-la para participar da escolha dos materiais também é uma boa ideia para tornar esse processo mais interessante. 

Já a adaptação após as férias de inverno costuma ser mais fácil, porque as crianças já conhecem a escola. Difícil mesmo é entrar no ritmo! Para facilitar esse processo, você pode fazer uma transição gradual, regulando o sono e o horário do almoço alguns dias antes do retorno das aulas.

Adaptação escolar e autismo: quais são as particularidades?

A adaptação escolar para um aluno com autismo varia de acordo com o grau e as dificuldades encontradas em cada caso. Além dos medos comuns, podem surgir outros obstáculos na hora de se enturmar e se adaptar à rotina, às aulas ou ao ambiente.

É importante identificar os pontos que são mais complexos para a criança e preparar a escola e os professores para essa adaptação coletiva. Se seu filho tem hipersensibilidade a sons, por exemplo, é interessante que a turma seja preparada para receber o colega da melhor maneira. 

Ter esse suporte da escola é essencial para garantir que a criança seja acolhida e que seu processo de adaptação seja acompanhado com paciência e empatia. 

Como ajudar crianças autistas na adaptação escolar?

Após conversar com o colégio e entender as adaptações necessárias para a criança, é hora de pensar no que pode ser feito para tornar esse período de transição ainda mais tranquilo.

Algumas escolas disponibilizam um professor de apoio para acompanhar a criança em sala de aula, além de adaptar materiais para tornar as atividades mais confortáveis nesse momento inicial. 

Independentemente do caso, é importante se fazer presente na rotina escolar. Pergunte ao seu filho como foi o dia na escola, pergunte o que ele gosta e não gosta de fazer. Além disso, procure saber como é a relação dele com os professores e colegas, e como ele está se sentindo. 

Não esqueça: a adaptação escolar só acontece com acolhimento – tanto da escola quanto da família. No início o coração pode ficar apertado, mas, com o tempo, a escola vai se tornando uma segunda casa. 

Além da adaptação escolar, o envolvimento da família com a escola ao longo de todo o ano ajuda as crianças a ganharem confiança nas suas relações. Leia também: Seu filho pode estar sofrendo bullying? Saiba como identificar os sinais.